29 de out de 2008


São tantas as aventuras nessa África.
Fui para Búzi ontem, voltei para Beira hoje. Búzi é um lugar perdido no fim do mundo, e para chegar, claro, a viagem é longa, é sacolejante. E cheia de árvores, e bichos, e de vez em quando algumas palhotas no caminho. E eu não tirei foto das palhotas. Queria, mas o carro ia rápido, e balançava tanto. E às vezes me dava preguiça, também.
De Búzi fui para Nova Sofala. Que é um lugar bem bonito, cheio de coqueiros. E de vento. Uma bela combinação, coqueiros e vento.
É um lugar cheio de gente também. Quer dizer, cheio, cheio, não é, pela própria natureza do lugar. Mas tem gente, gente interessante. Que eu tive muita vontade de fotografar. Mas não tive muita coragem.
Porque num lugar daquele, um carro 4x4 chama muita, mas muita atenção. Todo mundo olhava para mim, o tempo todo. E eu não me sentia à vontade para fotografar. Quase não fotografei Nova Sofala. Não gosto nem um pouco de ser a branca fotografando o exótico, isso me dá uma sensação ruim. Aí travo. Nada de fotos.
O que por um lado é bobeira minha, talvez. Porque algumas pessoas eu queria mesmo fotografar. Como as mulheres indo cuidar de suas machambas* às sete da manhã. Quando, na minha vida, eu iria ver mulheres com enxadas na cabeça, às sete da manhã, na África? Pois é. Mas não fotografei. Elas olhavam para o carro, e eu deixava pra lá.
Vale explicar que por aqui as mulheres é que são responsáveis pela plantação. E fiquei pensando que a mulher moçambicana é uma incógnita para mim. Porque poderíamos dizer que são submissas, sim. Esse país é muito machista. Mas são ao mesmo tempo tão fortes, mas tão fortes. Impressionam.
Foto eu só tirei mesmo da travessia que fizemos, por um riozinho pequenino. Mas que o motorista ficava lembrando: há muitos crocodilos por essa região. Não disse que era aventura?
E eu gostei tanto de mim, "sozinha" nessa África distante. Sozinha entre aspas porque estava com duas pessoas de confiança, e nativas, a me acompanhar, como dizem aqui. Mas mesmo assim. Recordei o medo que passei da outra vez. E é muito bom quando nos vemos superando medos. Gostei de me ver mais corajosa. Mais tranquila. Gostei.
E gostei demais de rever aquele distrito de Búzi, perdido no meio do nada. Que marca um momento tão importante para mim. E voltar lá só pôde ser considerado por mim um presente. Uma oportunidade importante de rever coisas e me rever. E de sentir um quentinho no peito. Acho que sou uma pessoa de sorte.

*machambas são plantações. de milho, arroz, mandioca. e mais coisas. acho.
**a foto é do riozinho que tem crocodilos.

Nenhum comentário: